Erros com o uso da embreagem que fazem a festa dos mecânicos

Erros com o uso da embreagem que fazem a festa dos mecânicos

Andar com o pé apoiado na embreagem é um hábito que deve ser evitado, mas há outros que também encurtam a vida útil do componente.

Por Acontece Mais 30/05/2021 - Atualizado em 30/05/2021

Um dos itens mais exigidos em um carro com câmbio manual é a embreagem. O componente é responsável por fazer o “meio de campo” entre o motor e transmissão, atuando durante as trocas de marcha para igualar a rotação entre essas partes.

Com essa missão, é natural que ela sofra um desgaste natural e precise ser trocada com o tempo – a durabilidade é alta e o mais comum é que isso ocorra próximo dos 60 mil quilômetros rodados. Mas, por se tratar de um mecanismo sujeito à ação do motorista, esse prazo pode ser encurtado ou estendido de acordo com os hábitos ao volante.

A boa notícia é que a ação dos condutores também pode manter a embreagem sadia por mais tempo. Para isso, porém, é preciso evitar alguns hábitos.

Confira alguns deles.

1 – Andar com o pé apoiado na embreagem

Esse é um mau hábito que muitos motoristas têm e nem percebem. Geralmente, os carros contam com uma área de apoio para o pé esquerdo, mas é comum ignorar essa solução.

Por mais que a força exercida sobre o pedal não seja grande, a embreagem tende a sofrer, já que carros de passeio “comuns” têm o pedal mais macio e sensível.

2 – Segurar o carro na embreagem

Partir com o carro em aclives costuma ser um desafio, especialmente para quem está começando na vida de motorista. Os medos aqui são os mais variados, que vão desde o carro morrer até mesmo algo mais sério, como andar para trás e acabar causando algum acidente.

Alguns modelos contam com freio automático para essa situação, que prorroga a ação de frenagem e dá tempo para que o motorista saia sem ter que ser rápido com os pedais. Mas uma solução que muitos motoristas encontram é segurar o carro na embreagem, aplicando uma rotação no motor e deixando o pedal da esquerda em um ponto de equilíbrio entre o acoplamento e o desacoplamento do componente.

O que ocorre é algo similar com o relatado no item anterior: isso causa um superaquecimento na embreagem e abrevia a sua vida útil. Uma alternativa nesses casos, caso não esteja acostumado a soltar rapidamente o pedal de freio e já acelerar, é usar o freio de mão para evitar que o carro ande para trás, permitindo que se saia com tranquilidade.

3 – Manter a embreagem pressionada ao parar

Seja por pressa ou por (mau) hábito, há motoristas que não desengatam o carro em situações como paradas de semáforo.

Esse tipo de comportamento deve ser evitado por várias razões – uma distração, por exemplo, pode fazer o carro avançar e causar um acidente -, mas uma delas é que a embreagem pode ter componentes afetados pela prática.

4 – Usar marcha errada

Sair da imobilidade em segunda, “pular” marchas em trocas ou usar alguma que faça o motor trabalhar em uma rotação muito baixa – às vezes tentando economizar combustível com isso – também são hábitos que devem ser evitados.

Aqui, há dois problemas principais: sair da imobilidade com marchas mais altas do que o normal exige “queimar” a embreagem, o que causa seu desgaste. Já no caso de pular marchas – tanto em acelerações quanto em redução -, há uma diferença grande entre a rotação do motor e da transmissão, o que faz o componente trabalhar mais do que o necessário.

Com o carro em movimento, andar com uma marcha mais alta do que a ideal para o momento não afeta a embreagem, mas pode causar desgaste prematuro da transmissão e do motor. Ah, importante: pode ser que o carro até consuma mais nessa situação.

5 – Carga excessiva

Por fim, quanto mais peso o carro estiver carregando, mais a embreagem vai sofrer. Essa é uma regra geral, mas o dimensionamento do sistema leva em conta o limite de carga determinado para o veículo e, sendo assim, andar com passageiros ou porta-malas cheio, desde que dentro desse limite – que pode ser consultado no manual do proprietário – não tende a causar nenhum desgaste fora do previsto.

O problema é quando se excede esse limite e ocorre, especialmente, durante saídas a partir da imobilidade, quando exige-se que o pedal fique mais tempo pressionado em uma posição intermediária entre acoplamento e desacoplamento completos.

Fonte: UOL carros

Logo Footer

Assine a Revista Acontece Mais e tenha informações atualizadas sobre pessoas e instituições de destaque na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, conteúdos de qualidade, agregando conhecimentos em diversas áreas.