Conflito entre Israel e palestinos: o que está acontecendo

Conflito entre Israel e palestinos: o que está acontecendo

O conflito já é o mais intenso desde 2014, e há temores de que a região possa novamente entrar em guerra.

Por Acontece Mais 17/05/2021 - Atualizado em 17/05/2021

A recente escalada de violência entre Israel e o Hamas, o grupo extremista que controla a Faixa de Gaza, atraiu novamente as atenções do mundo para um conflito que se arrasta por décadas, misturando política e religião e que já deixou mortos e feridos de ambos os lados, sendo a maior parte das vítimas em território palestino.

O que está acontecendo em Israel?

O conflito entre israelenses e palestinos já existe há muito tempo, mas o gatilho para a nova escalada de violência teve origem nas ameaças de despejo de famílias palestinas de Sheikh Jarrah, um bairro fora dos muros da Cidade Velha de Jerusalém.

Tribunais israelenses haviam dado ganho de causa a grupos de colonos judeus que reivindicavam a área em que viviam as famílias.

Mas, essa é mais do que uma disputa “por um punhado de casas”. Há décadas, israelenses têm ocupado áreas habitadas por palestinos por meio de assentamentos, tanto em Jerusalém Oriental quanto na Cisjordânia.

Só nesta última, são cerca de 430 mil colonos israelenses distribuídos entre 132 assentamentos.

Essas colônias são consideradas ilegais pela lei internacional. Em pelo menos seis ocasiões desde 1979 o Conselho de Segurança da ONU reafirmou que elas são “uma violação flagrante da legislação internacional”. A última delas foi em 2016 – o documento oficial também menciona Jerusalém Oriental.

Já Israel defende as iniciativas argumentando que se trata de uma estratégia de defesa de sua integridade, e não uma tentativa de tomada da soberania palestina.

Somado a isso nas últimas semanas, houve a violenta repressão de palestinos por parte da polícia israelense durante o Ramadã, culminando com o uso de gás lacrimogênio e de granadas dentro da mesquita de al-Aqsa, o lugar mais sagrado para os muçulmanos depois de Meca e Medina.

O Hamas, o grupo extremista palestino que controla a Faixa de Gaza, tomou a atitude incomum de emitir um ultimato a Israel para remover suas forças do complexo de al-Aqsa e de Sheikh Jarrah.

Israel não acatou a ordem, e o Hamas então começou a disparar foguetes contra cidades israelenses, incluindo Tel Aviv.

Qual é a origem do conflito Israel x palestinos?

As tensões entre os dois povos aumentaram quando a comunidade internacional deu ao Reino Unido a tarefa de estabelecer um “lar nacional” na Palestina para o povo judeu ao fim da 2ª Guerra Mundial.

Durante esse conflito, ocorreu o chamado Holocausto – o genocídio em massa de milhões de judeus, bem como cidadãos de etnia polonesa, soviéticos, homossexuais, ciganos e prisioneiros de guerra de várias nacionalidades, além de Testemunhas de Jeová e outras minorias a partir de um programa de extermínio sistemático executado pelo Partido Nazista.

O Reino Unido havia assumido o controle da área depois que o ocupante daquela parte do Oriente Médio, o Império Otomano, fora derrotado na 1ª Guerra Mundial e posteriormente desmembrado.

Naquela ocasião, a área era habitada por uma minoria judia e maioria árabe.

Para os judeus, era seu lar ancestral, mas os árabes palestinos também reivindicavam a terra e se opunham à mudança.

Entre as décadas de 1920 e 40, o número de judeus chegando à região cresceu, com muitos fugindo da perseguição na Europa e buscando uma pátria após o Holocausto.

Mas por que Israel? Eles foram incentivados pelo chamado ‘sionismo’, o movimento nacionalista judaico surgido no século 19 que promovia a ideia de um Estado para o povo judeu.

Ao passo que cresceu o número de judeus emigrando à Palestina, violência entre judeus e árabes e contra o domínio britânico também aumentou.

Em 1947, a ONU votou para que a Palestina fosse dividida em Estados judeus e árabes separados, com Jerusalém se tornando uma cidade internacional.

Esse plano foi aceito pelos líderes judeus, mas rejeitado pelo lado árabe e nunca implementado.

Em 1948, incapazes de resolver o problema, os governantes britânicos partiram e os líderes judeus declararam a criação do Estado de Israel. Muitos palestinos se opuseram e uma guerra se seguiu. Tropas de países árabes vizinhos invadiram o país recém-independente.

Centenas de milhares de palestinos fugiram ou foram forçados a deixar suas casas no que eles chamam de Al Nakba, ou a “Catástrofe”. Quando o confronto terminou em cessar-fogo no ano seguinte, Israel controlava a maior parte do território.

A Jordânia ocupou terras que ficaram conhecidas como Cisjordânia e o Egito ocupou Gaza. Jerusalém foi dividida entre as forças israelenses no Ocidente e as forças da Jordânia no Oriente.

Como nunca houve um acordo de paz – cada lado culpou o outro -, houve mais guerras e confrontos nas décadas que se seguiram.

Logo Footer

Assine a Revista Acontece Mais e tenha informações atualizadas sobre pessoas e instituições de destaque na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, conteúdos de qualidade, agregando conhecimentos em diversas áreas.